Domínios Morfoclimáticos e Fitogeográficos do Brasil

Webnode

   

Os Domínios Morfoclimáticos e Fitogeográficos do Brasil foram estabelecidos pelo geógrafo Aziz Ab' Saber. Ele agrupou os espaços de acordo com características do relevo juntamente com as influências climáticas. Para tal mapeamento, ele considerou a vegetação natural, como se o homem não tivesse interferido. Os domínios são seis, juntamente com as áreas de transição, que são: Amazônico, Cerrados, Mares de Morros, Caatingas, Araucárias e Pradarias.

 

Os Domínios Morfoclimáticos e Fitogeográficos do Brasil

Fonte: http://pe360graus.globo.com/obj/107/78855.gif

 

 

  • DOMÍNIO AMAZÔNICO

Este é o maior domínio brasileiro, na qual engloba a maior floresta tropical do mundo: a Floresta Amazônica. Com o Brasil, esta floresta se extende por oito países e ainda é conhecida por fazer parte da maior bacia hidrográfica do mundo, a do rio Amazonas. A principal característica deste domínio é a grande biodiversidade existente na fauna e na flora, o que faz com que este tenha um enorme potencial econômico, sem contar com toda a questão da disponibilidade de recursos hídricos.

 

O relevo local é de planície, que se extende entre os escudos cristalinos do Centro Oeste brasileiro e o escudo das Guianas. Os solos não possuem uma fertilidade natural muito grande, pois são formados de rochas sedimentares. Desta maneira existe uma ciclagem natural de nutrientes, que são originados pela própria biota local, ou seja, a matéria orgânica existente no solo é originada pelos restos vegetais/animais que se formam no local pelos seres decompositores. Portanto quando ocorre um desmatamento, o solo fica fértil por apenas um curto período de tempo, até esta matéria orgânica cessar e deixar o solo extremamente pobre.

   

As matas que estão em regiões mais elevadas do relevo local, que é bastante plano, não possuem suas raízes parcialmente ou totalmente submersas. Desta maneira o ecossistema encontrado é o da Floresta Ombrófila Densa. Mais abaixo, temos as matas que são encobertas pelas águas das épocas de cheias, chamadas de matas de Várzeas. Por fim, o tipo de vegetação que se encontra totalmente com as raízes submersas são as matas de Igapó.

   

Este é um domínio que está sendo vítima de uma fronteira agrícola desenfreada. Esta, é uma fronteira recente, que vem atraíndo diversos agricultores das mais diversas regiões brasileiras, que estão aos poucos introduzindo culturas como a da soja e da cana de açúcar. Também encontramos diversas atividades  pecuárias, que acabam degradando os solos pelo pisoteio dos rebanhos. Outras atividades que degradam o meio ambiente são encontradas, como serrarias, garimpagem, pesca ilegal, entre outros.

 

A Floresta Ombrófila Densa

Fonte: http://www.panoramio.com/photo/37030279

 

 

  • DOMÍNIO CERRADOS

Este é o segundo maior domínio brasileiro, se estentendo por aproximadamente 25% do território nacional, presente nas regiões Centro Oeste, Sudeste e Nordeste. Os tipos das rochas são predominantemente sedimentares que encontram-se relevos de Planaltos de chapadas sedimentares (como a chapada dos Guimarães / Mato Grosso) e Depressões. O clima predominante é o Tropical Típico (Tradicional) com verões chuvosos e invernos secos.

   

A vegetação dos Cerrados é adaptada a essa sazonalidade, sendo do tipo Caducifólia, ou seja, perde as folhas na estação seca para evitar o exesso de transpiração. No geral, a vegetação é esparça com a maioria das árvores com caráter retorcido e de casca grossa, com inúmeras Gramíneas cobrindo o solo.

 

Os Solos são profundos e ácidos, com alto teor de Alumínio, o que acaba sendo um fator limitante ao desenvolvimento de algumas espécies vegetais. Temos ainda uma grande diversidade de Cerrados, como os Campos limpos e sujos, Campos Cerrados, Cerrados e Cerradão. A diferença entre eles é a quantidade de vegetação florestada, sendo os Campos limpos os com menor densidade e o Cerradão com a maior, se assemelhando muitas vezes com florestas tropicais densas.

   

Os Cerrados em geral, sofreram nas ultimas décadas com uma intensa expansão agropecuária mecanizada, na qual trouxe com ela toda uma degradação ambiental, pois hoje em dia são poucos os locais onde encontramos parcelas representativas de Cerrado em seu estado natural. Inúmeras cidades  brasileiras importantes estão neste domínio, bem com as indústrias.

 

Parque Estadual do Juquery - Campo Cerrado

Fonte: http://picasaweb.google.com/lh/photo/f6-JFSTuatCyypiuFabQaA

 

 

  • DOMÍNIO MARES DE MORROS

Os Mares de Morros possuem este nome em função do relevo ondulado que predomina nas regiões costeiras do Brasil. Encontramos este domínio dês do Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte, passando por regiões mais interiores de São Paulo e Minas Gerais. Toda a região da Serra do Mar brasileira se encontra neste domínio e é nele que está situada a Mata Atlântica, ou Floresta Pluvial Atlântica. Estes possuem uma alta biodiversidade, em função das características da Floresta Ombrólia Densa, que é o ecossistema dominante neste domínio.

 

Vale lembrar que temos outros ecossistemas associados aos Mares de Morros, como os Campos de Altitude, os Mangues e as Restingas. O clima é Tropical Litorâneo Umido, e possui a principal característica da elevada taxa de pluviosidade ao longo do ano, em função da proximidade com o oceano Atlântico e por ser um relevo acidentado, é comum a ocorrência das chuvas orogênicas.

   

Este domínio é o mais impactado de todos, pois foi o primeiro a ser devastado, já pelos Portugueses nas primeiras épocas do Brasil Colônia, como a exploração do Pau-Brasil. Posteriormente, este dompinio precensiou diversos ciclos econômicos, como a Cana de Açúcar e o Café. Hoje em dia mais de 90% da população brasileira vive nos Mares de Morros, e em poucos locais a Mata Atlântica é encontrada conservada.  

 

Os Mares de Morros em São Paulo

Fonte: http://geofotografo.blogspot.com/2010_03_01_archive.html

 

 

  • DOMÍNIO CAATINGAS

As Caatingas estão localizadas predominantemente na região Nordeste brasileira, aparecendo ainda no norte de Minas Gerais. O clima é do tipo Tropical Semi Árido e possui os menores índices pluviométricos do Brasil, determinado principalmente pela dinâmica da circulação geral da Atmosfera, que faz com que nesta região haja pouca formação de núvens.

    

O relevo provém de maciços antigos (escudos cristalinos) bem desgastados e rebaixados, podendo ser encontrado diversas estruturas sedimentares bem como planaltos de chapadas associadas a este tipo de rocha. Os solos são formados pela predominância do intemperismo físico, tendo portanto um caráter pedregoso e pouco fértil.

   

O termo Caatinga, vem do Tupi, que quer dizer mata branca. Esta denominação ocorre pois a vegetação é bastante esparça e arbustiva, fazendo com que a radiação solar atinja o solo com muita intensidade. As plantas adaptadas a todas estas condições são chamadas de Xerófitas. Estas são capazes de armazenar água em seu interior por bastante tempo, desta maneira consegue aguentar os longos períodos sem chuvas. Um exemplo destas plantas é a familia das Cactaceas, como os cactos mandacarús e os xique-xiques. 

   

Ainda temos neste domínio, uma diferença vegetacional que começa no litoral, com a Zona da Mata, indo pro Agreste (transição) e chegando no interior, o Sertão, que é aonde a Caatinga se encontra.

   

A hidrografia é caracterizada por inúmeros rios temporários, em função das poucas chuvas existentes ao longo do ano. Contudo temos um dos maiores rios brasileiros que passam por este domínio, que é o rio São Francisco. Este é tão grande, pois é bastante extenso e possui as nascentes mais distantes em Minas Gerais, local onde o clima tropical típico proporciona um bom abastecimento de água para esta bacia hidrográfica.

 

Um Cacto Xique-Xique no  Domínio da Caatinga

Fonte: http://hudsonfp.blogspot.com/2010/10/plantas-da-caatinga-xique-xique.html

 

 

  • DOMÍNIO ARAUCÁRIAS

   

O domínio das Araucárias aprece na região sul do Brasil, englobando os estados do Sul mais São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Cabe salientar que nestes três estados do sudeste as Araucárias ou Pinheirais, ou ainda Mata com Araucárias, aparecem em regiões com altitudes mais elevadas, na qual proporciona no inverno temperaturas bastante frias, que é necessário para este ecossistema (Floresta Ombrófila Mista, sendo a Araucaria angustifolia, uma gimnosperma aciculifoliada, a espécie mais representativa, tendo ainda a Imbuia, o Cedro, a Erva-Mate, entre outros).

    

Os relevos são bastante diversificados, predominando os planaltos com altitudes mais elevadas, acima dos 500m de altitude. Este fator climático é de suma importância para este ecossistema pois no clima subtropical é comum a ocorrência de geadas no inverno. 

   

As Matas com Araucárias também sofreu um grande impacto, principalmente pelas atividades agropecuárias, onde hoje em dias estão grandes produtores de grãos, como a soja.

 

A Mata com Araucárias (Floresta Ombrófila Mista)

Fonte: http://araucariavanray.blogspot.com/

 

 

  • DOMÍNIO PRADARIAS

As pradarias, se estentem no Rio Grande do Sul, onde há a predominância dos chamados Campos sulinos. As rochas são predominantemente sedimentares, com relevos bem aplanados. Com a predominância do clima Subtropical (Temperado), aliado com valores mais elevados de latitudes, os invernos são bastante rigorosos e a vegetação é composta predominantemente por herbáceas e gramíneas.

   

Os campos do Sul da mesma forma sofreu um grande impacto com a agricultura e principalment com a pecuária e seus grandes rebanhos. Outro fator é a arenização que ocorre em função da erosão dos solos provenientes do Arenito Botucatu, deixando as camadas mais inferiores dos solos expostos, que são extremamente inférteis, deixando a área com cara de deserto.

 

Criação de gado no domínio Pradarias

Fonte: http://outrofocooutravisao.blogspot.com/2010/05/indo-serra-gaucha-mude-seu-destino-mude.html

 

 

  • ÁREAS DE TRANSIÇÃO

Aziz Ab' Saber determinou que os domínios não teríam um limite propriamente dito, pois nas bordas dos domínios os locais possuem características de ambientes em transição o que faz com que não se seja possível enquadrar como domínio, mas sim, "Áreas de Transição". 

   

Algumas delas possuem características tão marcantes que merecem um destaque. A primeira é o Pantanal, que fica além dos Cerrados, na região Centro Oeste. É uma transição entre os Cerrados e as Florestas Pluviais. É uma região que é marcada pela sazonalidade, ou seja, nas épocas de cheias, a região fica parcialmente alagada, em função da densa rede hidrográfica existente. Portanto existem áreas mais florestadas, em regiões mais altas que nunca são afetadas pelas cheias. Temos áreas que estão sempre alagadas, com espécies adaptadas a estas condições e temos ainda áreas que são cobertas por algumas gramíneas  que ficam encobertas por águas nas épocas de cheias.

   

Ainda temos a área da Mata dos Cocais, localizada na região nordeste, entre os estados do Maranhão e do Piauí. Esta área, é uma transição entre as Florestas Tropicais Equatoriais e a Caatinga. Temos espécies como a Carnaúba, que produz uma cera e o Babaçu que gera uma amêndoa na qual é possível se extrair óleo, palmito para o alimento, folhas para cobertura de casas bem como produz fibras para artesanato, como cestos e bolsas.

 

O Pantanal Mato-Grossense

Fonte: http://planetams.blogspot.com/2011/03/paradigma-preservacao-versus-exploracao.html

 

 

As Matas dos Cocais

Fonte: http://profsushi.blogspot.com/2010_05_01_archive.html




---------------------------------------------------------------------------